domingo, 28 de maio de 2017

Eu amei...

Garoeiro – Natal, RN, 28 de maio de 2017.
[ Para: Soraya... ]









Se muito mais do que devia amasse,
A usufruir leal correspondência,
Jamais renegaria a contingência,
Tampouco as lágrimas que acarretasse.

O Grande Amor mesmo que ultrapasse
Pela grandeza a condescendência,
Acaba sendo o saldo da existência,
Longe do préstimo que o limitasse.

Nunca dando o que dei enquanto amo,
Irei tal mundo dado reclamar,
Porque do bem de amar nada reclamo.

Pois vale, apesar do que chorei,
Com tudo o que me faz desesperar,
Ai de mim, muito mais o que eu te amei...

sábado, 27 de maio de 2017

Por novas palavras-de-ordem...

Garoeiro – Natal, RN, 27 de maio de 2017.











As sombras vindo organizar a gente,
Como não fossem parte desse horror,
Vomitam a salvação dependente
Do nosso inútil poder de eleitor.

E mesquinha e anti-historicamente,
De novo nos conclamam sem pudor,
Que cegos os sigamos novamente,
Creiamos tenha a Pátria um salvador.

Exauridas as políticas miméticas,
Na burla das falácias dialéticas,
Em ruas e praças eis-nos chegados

Para o que der e vier mobilizados.
Mas isso é só o começo da revolta,
Salvadores, não! A Pátria de volta!

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Do destino dos seres...

Garoeiro – Natal, RN, 26 de maio de 2017.











No mundo onde o poder do Nada impera,
Ser só é, lutando para existir,
À negação tentando resistir,
E toda a luta de existência é fera.

Ao que não é revés algum espera,
Pois o não-ser não tem nenhum devir:
Potência cuja essência é destruir,
O exercício de compromisso, zera.

O ser é uma luta em movimento,
Em seu eterno comprometimento
Contra o que dispersa e pelo que une.

Existência no fundo é um só assunto:
Seguindo a gravidade, ficar junto,
Pois desagrega o Nada que nos pune...

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Reino de farsantes

Garoeiro – Natal, RN, 25 de maio de 2017.













Só por bem que mais se queira,
Cheio de plena certeza,
Sabe a alma verdadeira
A desejável franqueza,
Pois a farsa rotineira,
Campeã da sutileza,
Convence sobremaneira,
Que apagado é chama acesa.

Seja a mão tateadeira,
O olhar com sua crueza,
O nariz que tão bem cheira,
Ou áudio de boca ilesa,
Nada impede a forasteira,
Disfarçada de princesa
Em seu hábito de freira,
Seduzir toda a nobreza.

Que daí só se endinheira,
Governando a safadeza,
Espalhando a roubalheira,
Em criminosa proeza.
Mas a histórica beleza
Virá da verdade inteira,
Fazendo toda a vileza
Da impostura, passageira...

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Liberados

Garoeiro – Natal, RN, 24 de maio de 2017.











O carnaval do nosso amor na cama
Era o baile febril das fantasias,
Em que ousadas demais pornografias
Iam bailando a excitação da trama.

Se um bailasse em devasso panorama
Abrindo as suas mais sujas ousadias,
O outro ia que o bom dessas orgias
Era fazer que mais ardesse a chama.

Em vez de amor de esposas com maridos,
Amávamos com gozos pervertidos
Num torneio feliz de perversão.

E o amor que a gente nunca achava feio,
Buscava no tesão que solta freio,
O prazer preso na liberação.

terça-feira, 23 de maio de 2017

Passatempo na praia...

Garoeiro – Natal, RN, 23 de maio de 2017.













Claro sol queimando imenso,
Mas nada que me atraia,
Enquanto arde o que penso,
Caminhando pela praia...

O passado a que pertenço
Dá que o presente me caia
Sendo totalmente infenso
Ao desejo marambaia.

Ardendo no transe denso,
O gosto da vida ensaia
Prenúncio de anseio imenso
Num futuro de outra laia...

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Desenredo

Garoeiro – Natal, RN, 22 de maio de 2017.













Nada sei senão conceito,
Mas não consigo explicar
Quando na rede me deito,
O prazer de aqui deitar.

Não é meu corpo que ajeito
Com seu peso a descansar,
Talvez alma cujo leito
Preferido vai gozar.

A paz que domina o peito
Sai me fazendo sonhar,
E eu sinto um gosto perfeito
Que não sei conceituar.

E esse não saber direito,
Sabe o clima dominar:
Vem-me um sono rarefeito,
Insuspeito de enredar...