segunda-feira, 20 de novembro de 2017

No avesso do desenho...

Garoeiro – Natal, RN, 20 de novembro de 2017.














Ante históricos ovos a frigir
Resume-se toda a tragédia humana,
No mal que os verbos ter e possuir
Vêm primar na vida cotidiana.

Falsa feira do mundo a me iludir
Com sua lei de consumir insana,
Quer que eu deseje ter a consumir,
Sem cessar as ofertas da semana.

Que lhe seja tão só toda a existência,
Comprada desde as possessões precoces,
Sucesso na gestão de minhas posses.

Mas no meu coração a humana essência
Diz a verdade no avesso do desenho,
Feliz só sendo livre do que tenho...

domingo, 19 de novembro de 2017

Diabinha

Garoeiro – Natal, RN, 19 de novembro de 2017.

















A posse é uma diabinha
De anjo fantasiada;
Gosta de alma fraquinha,
Presa e bem acorrentada.

Todo nosso, meu, ou minha,
Quer a alma escravizada;
Já doei tudo o que tinha,
E não quero ter mais nada...

sábado, 18 de novembro de 2017

Poderes do verso...

Garoeiro – Natal, RN, 18 de novembro de 2017.












Por despoetizados longos dias
Não pode ter amparo minha dor
No alívio que o fazer versejador
Vem me vestir a dor com fantasias.

Se valem as felizes sintonias
Dos versos com anseios do leitor,
Quer viver o poeta igual valor
No óleo distensor das poesias.

De modo que é uma espécie de agonia
Ter a doer dor que não doeria,
Tendo na mágoa o coração imerso.

Pois a dor no poema é sentida,
Admitida a tradução em verso,
Uma versão de dor sem ser doída...

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Manifesto desmobilizado...

Garoeiro – Natal, RN, 17 de novembro de 2017.












Estar provido, garantido, agraciado,
E uma sobrevivência tranquila obtendo,
Eis, o anseio de todo o mundo aí, sofrendo,
Do bem prometido, já desesperançado.

Aceitamos, lá atrás, o prazo demorado,
Sem querer nada e o nosso melhor cedendo,
Para vir padecer afinal, padecendo
Disso aqui, contra o que temos tanto lutado.

Resta a clareza, agora, que o caso concreto,
Na plena derrocada desse teu projeto,
Só pode ser porque o alvo é o que tu percalças.

Alheios, então, deixai-nos ao mais que peças,
Até que possas nos pregar novas promessas,
Promessas outras, que não essas, menos falsas...

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Fogueiras

Garoeiro – Natal, 15 de novembro de 2017.

















Por esse fim de amor, da amizade,
Matam todo o prazer carrascos vis
Nessas fogueiras da moralidade,
E encantada a plateia pede bis.

Nem o abuso sequer de crueldade
Com seu mal evidente de raiz,
Consegue fazer ver a insanidade,
No transe da cegueira aprendiz.

Tantos tendo o horror por felicidade
Quando o efeito manada é o que condiz,
Convir acabo já na minha idade:
- Preciso tratar de me achar feliz...

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Desenredo...

Garoeiro – Natal, RN, 14 de novembro de 2017.












Empinasse papagaio
Nessa brisa, subindo,
Ou mesmo outro gosto gaio
Num domingo assim tão lindo,
Na praia onde me distraio
Gente pelada, sorrindo,
Mas em vez de bom ensaio,
Liga o amigo resumindo
No seu discurso cambaio,
Um céu de desgraça vindo
Descarregar-me o seu raio:
A dona do enredo infindo,
No desenredo do arraio...