sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Mecauto...

Garoeiro – Natal, RN, 15 de dezembro de 2017.
[ Para: Ruy, no seu aniversário... ]











Usar todo dia assina
Nas teias do mecanismo
A inevitável ruína
Do urbano automobilismo,
Por isso, nossa Oficina.

Cada peça que maquina
O sincrônico batismo
Poderá virando a esquina
Grimpar o seu organismo,
Tendo de vir à Oficina.

Automóvel é rotina
De intenso metabolismo
Onde um grão de areia mina
A fluidez do maquinismo,
Reparado na Oficina.

Pus no amor dessa doutrina,
Fiel profissionalismo
Que um conserto determina,
Mas com gosto e humanismo,
Nesta festa de Oficina...

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Natal

Olegário Mariano – (1889 – 1958) – Revista Fon-Fon, dezembro, 1909.

















Céu azul, tão azul que parece lá no alto
O reverbero azul de uma grande turquesa.
Como estranha canção numa voz de contralto,
A alma do vento canta... É a voz da natureza.

Natal. Nasceu Jesus. Dos montes de cobalto
Desce um coro que lembra o coro de uma reza.
Anda um frêmito, uma ânsia, um anseio, um sobressalto
Pelas folhas, pelo ar, de devesa em devesa.

E enquanto estruge o canto estridente dos galos
E a estrela do pastor banha campos e valos
Com esquisito fulgor de enorme candelabro,

O Menino-Jesus de olhos langues, parece
Que sonha, que se embebe e adormece... Adormece
Com a amargura infeliz desse mundo macabro.

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Facebook está rasgando a sociedade











Facebook está rasgando a sociedade
David Meyer – Revista Fortune, 12 de dezembro de 2017.

No mês passado, o ex presidente do Facebook, Sean Parker, expressou temores sobre o que a rede social está "fazendo com os cérebros de nossos filhos". Ele foi desenvolvido para ser viciante, disse ele, descrevendo o Facebook como um "loop de feedback de validação social" que explora fraquezas no psiquismo humano.

Agora, outro discípulo do Facebook expressou o seu profundo pesar pelo envolvimento no trabalho da empresa. Desta vez, é o capitalista de risco Chamath Palihapitiya, ex-chefe de crescimento de usuários do Facebook, que disse à Stanford Graduate School of Business que ele sente "tremenda culpa" pelo papel divisório do Facebook na sociedade, o que teria sido explorado por agentes russos na eleição dos EUA no ano passado.

Ele acrescentou que o Facebook incentiva "popularidade falsa e frágil", deixando os usuários se sentindo vazios e precisando de outro hit, e sugeriu que esse "círculo vicioso" leva as pessoas a manter compartilhamento de postagens, com o que eles acham que obterão a aprovação de outras pessoas.

Palihapitiya, que hoje é o CEO do Capital Social, fez as declarações no mês passado, mas elas só apareceram na mídia nesta semana.

"Mesmo que nós fingíssemos conforme a onda atual, tipo assim: "Não há, provavelmente, consequências muito ruins que não estão previstas”, eu penso o oposto: causando profundas e profundas recessões de nossas mentes, sabíamos que algo ruim poderia acontecer", ele disse. "Criamos ferramentas que destroem o tecido social de como a sociedade funciona. É a pura verdade disto a que aqui chegamos".

Palihapitiya lembrou o exemplo de como rumores espalhados pela WhatsApp na Índia levaram ao linchamento de sete pessoas.

"Se você alimenta a besta, essa besta irá destruí-lo", pontuou Palihapitiya à sua audiência. "Se você a derruba, temos a chance de controlá-la e enquadrá-la. Quero dizer que chegou a hora de as pessoas fazerem uma difícil pausa no uso de algumas dessas ferramentas, nas quais a gente tanto confia. As respostas de feedback de curto prazo, por impulsos na dopamina, que criamos estão destruindo a forma como a sociedade funciona. Não há nenhum discurso civil, nenhuma cooperação, só desinformação, mentira ".

Ele acrescentou que este é um "problema global" e não apenas sobre anúncios em russo.

"A solução para mim é que a gente simplesmente não use mais essas ferramentas", disse Palihapitiya. "O que não fiz em tantos anos. Isso criou uma enorme tensão com meus amigos ... acho que me querem sempre programado”. Ele afirmou, também, que não permite que seus filhos usem redes sociais.

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

De famosos e anônimos...

Garoeiro – Natal, RN, 12 de dezembro de 2017.
[ Para Ayresmani, pai adorado, in memoriam... ]

















Sempre está no que é noticiado
Esse mundo dos donos da excelência,
Gozando seu prestígio de excludência
Perante o resto desprestigiado.

De ver só para eles ser louvado
O que há na cultura e na ciência,
Desdenham-se sem mais de sua essência
Os pobres criadores do avançado.

Nas rodas intelectualizadas
A lógica das louvações trocadas
É garbo que se retroalimenta.

Porém, a multifacetada História,
Que vai forjar a verdadeira glória,
Dessa gente sem rosto se sustenta.

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Naquele pratinho frio da vingança...

Garoeiro – Natal, RN, 11 de dezembro de 2017.

















Fortunas de teu reino conjugal,
Onde senti-me o tempo todo escrava,
Guardaste cem por cento do total,
Cuidando do final que te aguardava.

De mãe num casamento infernal
Que minhas mãos lavava e cozinhava,
Enfermeira aqui estou em teu final,
Vendo o mal de quem me martirizava.

Pulmão que não te deixa respirar,
Balão de oxigênio sem parar,
O mundo inteiro é esse quarto, agora.

Mas o que anseio e me fará vingada,
É por teu bem me interrogar cansada:
- Rei do Inferno, por que tanta demora?

sábado, 9 de dezembro de 2017

Natal de um triste

Mario Pederneiras – (1867 – 1915) – Revista Fon-Fon, dezembro, 1908. Fragmento.

















Vem chegando o Natal... Há noites claras
E a brancura cristã de preces e de hinos
Sobe daqui, destas paragens francas.
É tudo branco – estradas e searas...
Vem chegando o Natal, ouço-lhe os sinos
E o seu lindo rumor de coisas brancas.

Vem chegando o Natal. Flor desolada,
Que em tristezas e mágoas te estiolas,
Vem chegando o Natal, eu bem o vejo;
Há já preparos para a consoada
E chora pela quintalejo
A plangedora mágoa das violas.

Vem chegando o Natal. Flor das Trigueiras,
De alma dorida toda revolta em crepes,
Há por tudo cantares e regalos.
Acendem-se fogueiras
E junto à paz do lar e dos presepes
Estala o canto vencedor dos galos.

Vem chegando o Natal, todo coberto
Do pálio branco de um luar de estios,
E vem achar o nosso lar deserto
E dois berços vazios.

Vem chegando o Natal, ouço-lhe os passos
Lentos e em receios,
Como presos de dores e cansaços...
Mas, em vez dos que tanto os desejaram,
Vem encontrar os nossos olhos cheios
Das tristezas de uns olhos que choraram.

Vem chegando o Natal...
Tu bem te lembras como eu bem me lembro,
Da alegria feliz com que dezembro
Outrora entrava pelo meu casal.
E estamos em dezembro.
Vem chegando o Natal.

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Diversidade indistinta...

Garoeiro – Natal, RN, 08 de dezembro de 2017.










A Paixão tem um anseio,
De início se o desconhece,
Só mais ou menos no meio,
Definido, ele aparece.

É coser o aparteio
No crochezinho que tece,
Misturando o bom recheio
Que a entrega amadurece.

Fazer crer o saboreio
Dentro dos dois que oferece,
Superar o desenleio
Que toda dupla padece.

Mas, terminado o passeio,
A costura se esclarece:
Amar o diverso alheio,
Mal distinto desconhece...

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

O trigo

Garoeiro – Natal, RN, 07 de dezembro de 2017.












Amo o rumo que persigo
De destino sempre além;
Sequer o melhor amigo
Ouvi prometer que vem.

Cego ao simular perigo,
Cego o medo se mantém;
Levo a bússola que sigo
Mas, sem bussolar ninguém.

Pois se ousar não é castigo,
Ousadia me faz bem,
Conte o sonho que bendigo
Com só desprezo e desdém

Sozinho sonhar, porém,
Rejeitado, não maldigo:
Do futuro pão o trigo
Dá cada qual o que tem...

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Lula diante do espelho

Garoeiro – Natal, RN, 6 de dezembro de 2017.













Mesmo que a parceiros choque
A Direita é o meu enfoque,
Que a Esquerda vem a reboque.

Meus sonhos vou prometendo,
E assim me comprometendo,
Mas, política, é fazendo.

Mais dezoito a praça queira,
Mais eu ganho a dianteira
Da fera lavajateira.

Quando a gente negocia
Tem cara que denuncia
Como se fosse heresia.

Pois se o acordão progredisse,
Não seria invencionice
Termos Meirelles de vice...

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

No reino da caverna...

Garoeiro – Natal, RN, 05 de dezembro de 2017.










Neste reino nada exime
As cavernosas heranças,
Por fome que o prato imprime
Nas merendas das bonanças.

O que guri pobre mime,
Vaselinando às cobranças,
Disfarça o inferno que oprime
Terceirizadas mães mansas.

Há mil suspeitas de crime
Nessa creche sem mudanças:
A verdade do sublime
É a inocência das crianças...

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Epitáfio

Garoeiro – Natal, RN, 4 de dezembro de 2017.











A dor quando o corpo apanha,
Dá-me à alma fortaleza.
Não conheço artimanha,
Pois desdenho da esperteza.

Já encerrando esta campanha,
Em vantagem, com certeza,
De mim todo o mundo ganha,
Porém, poucos, em grandeza...

domingo, 3 de dezembro de 2017

Tiro ao alvo...

Garoeiro – Natal, 03 de dezembro de 2017.

















Como era bom ser amado
Ao som de tuas risadas,
Duas almas lado a lado,
Caminhando caminhadas...

Só te amei apaixonado
Por sentir nossas jornadas
Dando como resultado
As junturas tão sonhadas.

E vivendo do sonhado,
Sorvia interpenetradas,
O que fora no passado
Nossas vidas separadas.

Mais do que amor que era dado,
Mais que as histórias narradas,
Ver unido o separado
Tornou tudo antigos nadas.

E o auge do amor jurado,
Viu de inveja alvejadas
Por se ver tão festejado,
Nossas juras camaradas...

sábado, 2 de dezembro de 2017

Coisas da praia...

Garoeiro – Natal, RN, 02 de dezembro de 2017.











Bem na praia ela me espouca
Com esses lábios de amora
E a vontade muito louca
É abraçá-la sem demora,
Mergulhar naquela boca
Imediatamente, agora,
Mas quando a mira é bem pouca,
Errar o alvo piora:
Já ia marcando touca,
E quase que dei um fora...

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Escolas...

Garoeiro – Natal, RN, 01 de dezembro de 2017.
[ Para: Maria Amélia, mui querida amiga... ]













Fora um vago festival
Por meus anseios regido,
Fui somente professor,
E esse amor profissional
Socializou-me o sentido
Do sentimento do amor.

Na regência cordial
Ensinamento é tangido
Sob místico labor:
Em aulas de plano igual,
É igualmente aprendido
O sonho conhecedor.

Pois há uma escola plural,
Cujo mestre é o vivido,
E a disciplina, a dor:
No seu pátio principal,
O ensino mais querido
É aprendiz de sonhador...

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Do gosto de mergulhar...

Garoeiro – Natal, RN, 29 de novembro de 2017.

















Supus, jamais, na dor do meu calvário,
Combatendo o atraso e a horda do muro,
Pudesse ouvir que sou reacionário,
Eu que, transido, vivo do futuro.

Trabalho quis-me causa do operário,
Jurada causa que na vida juro,
Viva mais jardinando o imaginário,
Sonho impossível de que não descuro.

Arte, humano parto de raro empenho,
Prazer maior da gostosura pura,
Sei que em ti morro, já tanto te embrenho,

Bradando, no apogeu da formosura:
- Contra a espuma moderna nada tenho,
Só prefiro o mergulho na cultura...

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Lava-louça

Garoeiro – Natal, RN, 28 de novembro de 2017.









Ao fim da saborosa refeição,
Gostosa de até Deus deixar feliz,
Comprazes ante o prato onde estão
Tais restos que teu paladar não quis.

Não quer comer só a satisfação,
Sem o requinte que o sabor nos diz,
Tanto o apetite de nossa paixão
Cozida em lautos versos que te fiz.

A sobra que tu olhas satisfeita
E os saboreios da mulher rejeita,
Sou eu e o que serei, essencialmente.

Aquele elogiado cozinheiro,
Se não último, ex teu amor primeiro,
Que degustaste experimentalmente...

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Greve

Garoeiro – Natal, RN, 27 de novembro de 2017.













Ando posto de castigo
Pelo mundo é meu receio,
Se a amizade que consigo
Nunca tem retorno alheio
Nem dá resposta a quem ligo
Por telefone ou e-mail,
E esse sumiço de amigo
Desse a greve do correio,
Condenando ao desabrigo
Tanto amor que nos semeio,
E na vida inteira brigo
Como a graça em que mais creio...

Viver dentro de um jazigo,
É já morto estar meio...

domingo, 26 de novembro de 2017

Quando a turma me punha no gelo...

Garoeiro – Natal, RN, 26 de novembro de 2017.













Toda a turma me esnoba
Sob restrição geral,
Porque chamei Seu Peroba,
Outro dia de boçal.

Eis que pego o embornal,
Meu coração desafoba:
Varando esse matagal,
Já vou catar gabiroba...

sábado, 25 de novembro de 2017

Tango ao luar

Garoeiro – Natal, RN, 25 de novembro de 2017.













Bebe em mim a noite calma
Na taça cheia da lua,
A sombra da minha alma
Na apagada luz da rua.

Cada passo aumenta o trauma
Sem que nada o diminua:
Só ver meu fim me acalma,
Morrer teu por culpa tua...