sexta-feira, 20 de outubro de 2017

A dor do nó do esquecimento...

Garoeiro – Natal, RN, 20 de outubro de 2017.
[ Para: Suzana, amiga inesquecível... ]













Contra meus tristes nós do esquecimento,
Contra essa tristeza com que se esquece,
Amorosa lembrança comparece
Ao que acaba mas tem renascimento.

Esse tudo acabado é um sentimento
Cego ao que continuamente tece
Silenciosamente em sua prece,
O amor que extrapola o rompimento.

Com que concordo absolutamente
Na grata fruição sobrevivente,
Vivendo o que depois do fim prossigo.

Sem incluir inesquecido algoz,
Que remoendo em meio àqueles nós,
Esquecido me fez só por castigo...

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Detalhes da paixão...

Garoeiro – Natal, RN, 19 de outubro de 2017.











Por cumprirmos agenda social
Sob o véu de casal de professores,
Viviam nossos interlocutores
Repertórios de intelectual.

Mas nas noites da educação carnal,
Aprendendo a verdade dos amores,
Passávamos a deseducadores,
Como a buscar o bem dentro do mal.

Pois de comuns amantes nós virávamos
Locutores do gozo que nos dávamos,
Que há mais gozo no amor que se irradia.

E as coisas feias que a gente fazia
Ganhavam uma exímia excitação,
Com tua pervertida locução...

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Realidade e magia...

Garoeiro – Natal, RN, 18 de outubro de 2017.










Sob o sopro desta brisa
Minha pele se resfria
Por uma ternura lisa,
E outra ternura macia.

O enternecimento a frisa,
E suavemente arrepia,
Nesta sensação precisa
De geral anestesia.

Prazer tanto rivaliza
Realidade e magia,
Que minh’alma indecisa,
Porfia a cenestesia...

terça-feira, 17 de outubro de 2017

No Cemitério São João Batista...

Garoeiro – Natal, RN, 17 de outubro de 2017.










Ao viçar mais que os demais,
Embora no cemitério,
O florido cajueiro
Vem abrir para mortais
A verdade do mistério
Que oculta o anjo posteiro.

Restos existenciais
Bem drenados no minério,
Desafiam o coveiro,
Nutrindo vida em canais,
A que o finado funéreo
Seja, jamais, derradeiro...

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Valsinha...

Garoeiro – Natal, RN, 16 de outubro de 2017.










Com a mágoa dos azares,
Por minha tristeza valso
Diária ronda nos bares,
Lacrimejando, descalço,
Meus de Aquiles calcanhares...

A ver alheios chorares
De chororô por percalço,
Esse choro só de esgares,
Nenhuma lágrima, falso,
Sem a mágoa dos azares...

domingo, 15 de outubro de 2017

Viajando na maionese...

Garoeiro – Natal, RN, 15 de outubro de2017.
[ Para: Camarada Tenorinho, in memoriam... ]














Ao provar do mel de tuas colmeias,
Meus salgados amargores bisonhos
Viram na cabeça boas ideias,
E inundam a alma com novos sonhos...

Reuniões com multidões ateias,
De morte juram os nossos demonhos;
Várias incendiárias assembleias,
Clamam por justiçamentos medonhos...

E já renasço lá nas multidões
Relendo tão históricas lições,
No festival das bandeiras vermelhas...

Sinto, porém, que de os viver sonhados,
Não reverei nossos sonhos passados,
Pois faltam sonhos, chamas e centelhas...

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Vídeo nº 158 - Dois Escritores de Jaguarão - Entrevista

Chafarizes

Garoeiro – Natal, RN, 13 de outubro de 2017.












Contra esse tempo de crises,
Só desesperança e dor,
Vivo nos dias felizes
Quando tive um grande amor.

Transformadas em atrizes
Junto ao palco ao meu dispor,
Mudo as cenas infelizes
E o roteiro sofredor.

Meus desejos tais juízes
Vão focando o projetor,
Sob suaves vernizes
No teatro sonhador.

Vagando em outros países
Livres do jugo opressor,
Beijo lábios aprendizes
Com meu lábio professor.

E do gozo das reprises
No romance a recompor,
Fulge a luz dos chafarizes
No traído desamor...

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Um sopro

Garoeiro – Natal, RN, 12 de outubro de 2017.











Hoje estou feliz da vida,
Mas sem motivo aparente;
É a sensação recolhida
Toda, reconditamente,
Longe de causa auferida
No tristíssimo ambiente.

Mesmo tendo a alma ferida
Em conjuntura doente,
Vendo beco sem saída
No atraso recorrente,
Por razão desconhecida
Me reencontro contente.

Talvez em chama existida
Ardendo socialmente,
Seja a história resumida;
Mas, há trégua, felizmente,
Sopro de volta sem ida,
Que sopra dentro da gente...

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Receita

Garoeiro – Natal, RN, 11 de outubro de 2017.
[ Para: Ruy, irmão, amigo... ]











A dor de uma grande preocupação
Sufoca o nexo interior aceso,
Porque domina tudo com seu peso,
E torna a vida só exasperação.

Modelada pela interpretação,
Com seu dever desesperado preso,
Ela sangra o senso justo indefeso,
Enchendo a alma de obrigação.

Essa iminência de morrer culpado,
De não poder cumprir a exigência,
É o martírio pior da consciência.

A menos se no surto preocupado,
Puder a vítima levar consigo
Palavras de um verdadeiro amigo...

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Sob o domínio de Baco

Garoeiro – Natal, RN, 10 de outubro de 2017.




















Sob o domínio de Baco
É que me sinto existente:
A alma sai do buraco
E uma alegria contente
Entra dentro do casaco.

De transparente a opaco,
Erra o mundo presente
Tornando esta vida um saco,
Que mais faz rico potente,
E a nós – todo o resto – fraco.

Fora ladrão e velhaco,
Aturar esse ambiente,
Confiar no próprio taco,
Só consigo pondo a mente
Sob o domínio de Baco...

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Essa luta sem nenhum risco...

Garoeiro – Natal, RN, 09 de outubro de 2017.













É protesto inconsequente
Da oposição em geral
O dispor desigualmente
Do jus neoliberal,
Com 1% contente
Dono do vil metal,
Contra absolutamente
A multidão mundial,
Pois todo o mundo já sente
A diferença, afinal,
Bem sabendo que é inocente
Esperar que o desigual,
Dado o pecado inerente,
Abra mão de seu total
Querer ver sempre crescente,
E no arroubo fraternal,
Aja igualitariamente,
Se a verdade essencial
Forjada historicamente,
Incurável vendo o mal,
Condena à morte o doente,
Queimando o seu manual
E o ideário atinente,
Mas a crítica atual,
Na enfermidade igualmente,
Quer um presente ideal,
E o futuro diferente,
Segue mal feito igual...

domingo, 8 de outubro de 2017

Nefastos

Garoeiro – Natal, RN, 8 de outubro de 2017.













A pior contrariedade
Que nos deixa esbodegados,
Nos desilude e a vontade
Murcha por todos os lados,
Vem da perplexidade
De vivermos enganados
Por essa eterna inverdade
De sujeitos dominados
Por nefasta autoridade...

sábado, 7 de outubro de 2017

Espelhos

Garoeiro – Natal, RN, 7 de outubro de 2017.















Como espelhos a memória
Reflete nossos passados,
Com ecos da longa história
Quer vividos ou sonhados.

Reveses da trajetória
Ela foca superados,
E suspira-se vitória
Idos ver assim lembrados.

Mas reflexão inglória,
Pelos brilhos embaçados,
Pela luz aleatória
Nos espelhos deformados...

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Na paz da brisa...

Garoeiro – Natal, RN, 6 de outubro de 2017.










Lendo agora meus versos do passado
Sinto que carregam uma potência
De anseios da mais rica consistência,
Sobre andor sempre além continuado.

Contra o fiel de procissão sonhado,
Comparo o resultado da existência,
Para juntar alheia improcedência,
Mas do bem que cantei, depauperado.

Cada vez mais interiormente rico,
É a ver o dia então que me dedico,
A fim de ser feliz na minha idade.

Fico nesta final felicidade
Que já de mais nada e ninguém precisa,
Só sentindo a vida na paz da brisa...

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Altar da Poesia

Garoeiro – Natal, RN, 5 de outubro de 2017.












Não é médico de azares
O poeta que publica,
Prestem algo seus cantares
Às curas que reivindica
A solidão de milhares.

Nas dores particulares,
No mar de mágoas que fica
Das separações de pares,
Poesia pacifica
Separados singulares.

Dar alívio aos pesares
Obriga intenção mais rica:
Captar desses radares
Um brado que pontifica
Haja novos patamares.

Outros tempos e lugares,
Já sob nova rubrica
Sem o rubro de avatares,
É o sonho que identifica
Nos poemas seus altares...

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Da Amizade e do Amor...

Garoeiro – Natal, RN, 04 de outubro de 2017.










Sinto a amizade que penso
E o entre amigos situa,
Quando agrado é um consenso
Numa conversa de rua.

Compartilham-se intenso
Alma nossa, minha e sua,
Sem se unir no contrassenso,
Nem que o contrário evolua.

Porque todo o amigo é denso,
A amizade continua:
Não a interrompe dissenso,
Ou em suspeição flutua.

Vai transar íntegro senso
Quem o prazer de amar frua;
Junto a amigos me dispenso
De adesão que nos exclua.

Amor de amigo é suspenso
Por admiração crua:
Admiram-se imenso,
Tal o grande amor pontua...

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Alunissagem...

Garoeiro – Natal, RN, 03 de outubro de 2017.













Suas crateras se deixou de pesquisar,
Na Astronomia ninguém mais a homenageia,
Porém, lá vai meu coração na lua cheia,
Sob a potência inspiradora do luar.

Nessa inquietação escura a me pesar,
Que o grande amor nem ilumina, nem prateia,
Que bom sentir a noite que esta luz permeia,
Ficar pensando e tendo a lua para olhar.

E vem chegando logo claro pensamento,
Razão simples de afastar todo o sofrimento,
Que dói e me castiga em plena solidão:

A lua é a verdade da separação,
Solitária, distante, mas tão bem ligada,
A nós unida, e eternamente separada...

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Da natureza selvagem

Garoeiro – Natal, RN, 02 de outubro de 2017.













Naturalmente criminosa a Natureza,
Sob a legislação da selva funcionando,
Onde o alimento se obtém sempre matando,
É-nos servida como exemplo de justeza.

Contra essa vida alimentada na crueza,
Cedo o humano prato foi se distanciando,
Mais tarde, ainda mais, já se civilizando,
Bem disfarçando a morte do que vem à mesa.

E desse enorme esforço histórico imperfeito,
Hoje alcançamos um estado de direito,
Tanto mais humano, quanto não natural.

E é por isso que sempre tive por bobagem
Tudo o que enaltece a natureza selvagem
Fora da História onde punge o essencial...

domingo, 1 de outubro de 2017

1º de Outubro

Garoeiro – Natal, RN, 01 de outubro de 2017.













O que a dor da vida cubro
Vem lá do futuro o alimento,
Que costuro e não encubro
Na causa do ferimento,
Pois sofrendo assim descubro:
Setembro me foi cinzento,
Mas outubro será rubro...

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Saciedade e alívio...

Garoeiro – Natal, RN, 29 de setembro de 2017.

















Saúda todo o mundo e enaltece
Jubiloso prazer do apetite,
Tal nenhum outro mais feliz cogite
Ingestão do que ao gosto apetece.

Mastigação é um gozo que cresce
A partir da pulsão que é seu convite
Até a pulsão que a deglutição quite,
Enquanto o prato apetitoso desce.

Satisfação, no coro enaltecido,
Seria a saudação do ingerido
E a felicidade da ingestão.

Sem o prazer que a esse prazer concorre,
Maldito e desprezado, mas ocorre,
Na festa derradeira da excreção...